epifanias

Dezembro traz sempre uma certa nostalgia uma vez que tendemos a fazer balanços de vida e de tempo, do que passou, do que nos espera (ou do que queremos que seja) em suma, é uma merda porque a pessoa, quer queira, quer não, quase que se vê obrigada a pensar nisto tudo por causa das passas de uva que vai ter de enfardar ( e vai ) na meia noite do famigerado dia 31 em que ou tens planos ou tens planos.

Entretanto, a verdade é que se torna cada vez mais hercúlea a tarefa de nos auto confrontarmos com as nossas merdas (uma trabalheira suada e, não raras, vez mal cheirosa, aviso já).

mas de repente é domingo à tarde, chove que Deus a dá (mas tu até nem dás conta da cena porque a tua casa moribunda tem tantas janelas como um bunker) estás dentro de um pijama que faria debandar meia tonelada de pessoas, o teu cabelo cheira a discoteca da noite anterior - porque não te vais pôr a lavar o cabelo ao Domingo que é um desperdício de tempo e não faz pendant com o pijama - e desatas a ver tudo quanto apanhas na Tv, desde filmes brasileiros com um som de qualidade duvidosa, a filmes mexicanos em que os personagens vestem todos coisas estranhas e tu papas aquilo tudo até ao ponto de te doerem os olhos e o crânio, mas sem desistências, sem toalha ao chão, não. firme e digna porque já que começaste agora acabas.

E vais nesta aventura dolorosa  até que chegas a um dos filmes que te põem a fazer catarses da merda toda que trazes àss costas e de repente, ao pijama e ao cabelo sujo, soma-se uma choradeira de meia noite com ranho à mistura e self pity em doses absolutamente industriais (tipo frota de camiões LS).

fazes uma lista gigante de "coitada de mim por que" e vais tendo epifanias a uma velocidade vertiginosa, tudo em ti está ao rubro, vês tudo, percebes tudo, és uma cabeça do camandro, um Einstein fodido!

Um Einstein cheio da ranho e embrulhado em rolos de papel higiénico, mas um Einstein do carago!

no fim o Einstein cai redondo a dormir, acorda todo esbardalhado e remelado, a casa está a miséria total, mas encolhes os ombros porque não queres nem saber de raio de merda nenhuma e vais, arrastada, com as meias a meio dos pés, do sofá para cama, pedindo aos anjinhos para que o dia seguinte seja só um bocadinho menos deprimente e que a tua vida se encarreire de te fazer rir deste ranho todo que largaste porque estava a chover, não tinhas o teu cão e estava um frio do caralho, tudo merdas que na equação equivalem a  +++ igual a " a tua vida é uma enorme e irreversível desgraça", ninguém te vai amparar quando te caírem os dentes ou quando as cataratas descerem e te puserem mais míope do que já és.

enfim, isto para dizer que se quiserem, por algum motivo, ter uma experiência idêntica a esta que vos acabei de relatar, ponham-se a ver o Newness e não digam que vão daqui.








the hoodie issue

muito chegadinha a estas misturas entre desportivo, clássico, whatever! todo o estilo vai bem com a sweatshirt, é o que eu acho, mas isto são cá coisinhas minhas ....

AddThis